Acessar agora

Mulheres mudam a vida empreendendo como assistentes remotas

Novo modelo de negócio no sistema home office, que conecta as empreendedoras com clientes, é ideal para mulheres que não podem sair de casa para trabalhar ou que ainda precisam de mais qualificação

Um dos grandes desafios nos dias atuais, em especial para as mulheres, é se recolocar no mercado de trabalho. Muitos dos problemas que são encontrados neste caminho são o preconceito, por ainda vivermos em uma sociedade machista, prevalesce a máxima de que elas são o sexo frágil. Mas também há o fato de que a mulher é a figura 100% responsável pelo cuidado dos filhos e da casa. Neste ponto encontram a grande barreira de como sair para trabalhar.

Tanto por isso, que o empreendedorismo feminino cresceu consideravelmente nos últimos anos. Segundo dados da maior pesquisa de empreendedorismo, GEM Brasil 2018, entre todas as mulheres empreendedoras, 43% são chefes de domicílio e 44% abriram o negócio por necessidade, sendo o número 12% maior se comparado aos homens. 

Neste contexto, a empreendedora carioca Tatiana Cruz dos Santos Ferreira, 39, se viu em uma fase de sua vida profissional e pessoal que precisava de mudanças, quando se deparou com a profissão de Assistente Remota. “Eu era assistente administrativo-financeiro em uma administradora de condomínios, mas não tinha perspectiva de crescimento. Em 2015 eu engravidei, minha gestação era de alto risco e eu tive que entrar de licença antes do prazo normal. No meio do ano contrataram outra pessoa para me cobrir, mas na minha volta eu não teria onde ficar e eu estava a perigo de perder o emprego a qualquer momento. Como sou mãe solteira, fiquei com medo de ser demitida. Isso fez com que eu buscasse uma alternativa, no começo de 2016, em ter uma renda extra, para se tornar, com o passar do tempo, minha principal fonte financeira. Foi quando me deparei com a profissão de Assistente Remota e vi que poderia ser a transformação que eu precisava”, conta. 

Como ainda é uma profissão relativamente nova no Brasil, trazida pela empreendedora curitibana Camile Just, CEO da Just Virtual, Tatiana contou que todas suas pesquisas levavam à startup e ao curso oferecido por ela. “Quando eu me deparei com a Assistência Remota eu tinha certeza que abriria uma empresa com isso. Haviam diversos vídeos e relatos que levavam a Camile. Foi quando comecei a pesquisar mais a fundo sobre ela e sobre a Just, fui me apaixonando, e achei o curso que ela oferece. Eu não podia pagar por ele, mas determinei e me planejei para que eu pudesse me especializar”, lembra. 

Empreender não é tão simples e muito menos uma tarefa fácil, que requer muita dedicação, ainda mais no caso de Tatiana. “Tempos depois consegui comprar e iniciar o curso, mas para mim era complicado, pois eu entrava no trabalho às 9h e saia às 18h, além das cerca de duas horas de deslocamento. Chegava em casa por volta das 20h e muitas vezes não via minha filha acordada. E eu ainda tinha que estudar. Como eu tinha quatro horas ociosas no meu percurso de ida e volta para o trabalho, eu aproveitava para estudar, além de aproveitar um pouco o horário de almoço e em algumas ocasiões depois que minha filha dormia. Era cansativo, mas valeu a pena”, diz

E tanto empenho realmente trouxe resultados para a nova empreendedora. “Perto de terminar o curso, consegui dois clientes e me dividia. No deslocamento para o trabalho, no almoço e a noite em casa eu fazia anotações e cumpria com as minhas funções como assistente. Não conseguia atender mais clientes e eu precisava mostrar resultados para quem já estava comigo. Foram seis meses muito cansativos, sem dormir direito, pois em fevereiro deste ano iria tirar férias e decidi que quando voltasse pediria as contas. Hoje tenho cinco clientes, ganho mais do que ganhava antes e ainda tenho tempo para estar e viver com a minha filha”, completa festejando Tatiana. 

Just Virtual 

Primeira apoiadora da comunidade Women In Blockchain Brasil, rede de apoio e cooperação para inclusão da mulher na nova economia, Camile Just iniciou com a Just Virtual Real com o objetivo de auxiliar os empreendedores na administração de seus negócios.

Percebendo que no Brasil a profissão de Assistente Virtual (ou Remota) era algo ainda novo, Camile desenvolveu o curso online Como Ser Assistente Virtual, dando suporte para que outras pessoas pudessem ter seu próprio negócio, baseado em um modelo concreto e seguro, já operado por ela. 

O treinamento que forma assistentes remotas, já formou centenas de profissionais por todo o mundo, fazendo com que Camile se tornasse especialista no mercado de assistência remota do País.

Este site utiliza recursos próprios e de terceiros que gravam algumas informações sobre seus visitantes. Se preferir, você pode negar a sua utilização. Clique aqui para saber mais. Ao continuar navegando pelo site, ou clicando em qualquer elemento do site, você está de acordo com a utilização destes recursos.